sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Bárbara




Com nova licença poética

Quando nasci, uma tia baixinha
dessas bem baixinhas e brabas
disse: Vai, menina! Ser Bárbara na vida! (batizou-me)

Gauche já foi o Carlos
Carregou bandeira a Adélia
Por causa do Chico Buarque, serás então Bárbara
(somente Bárbara, diria um poeta, anos mais tarde)

Tomei a sina pra mim
E bora ser Bárbara, pois sim!

A vida talvez fosse azul...
Não fosse a sina assumida
Ser bárbara assim todo dia,
Coisa que dá um trabalho!

A moça atrás das lentes de contato
Tem olhos que ninguém sabe a cor
Diplomática que aprendeu a ser,
Tem muitos, muitos amigos (e sonhos)
A moça atrás das lentes de contato.

Então a moça, bárbara que era, quis viver muitas vidas
E resolveu ser atriz
(não admitira ela que houvessem outras vidas que por ela não fossem vividas)
E quis viajar muito pra conhecer pessoas e lugares
(não admitira ela que houvessem pessoas e lugares que por ela não fossem conhecidos)

Aí às vezes ela brada:
Meu Deus porque me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraca.

Mundo mundo, vasto mundo
Mais vasta é minha sina
Vou cumprindo, acertando e errando
E pra quando erro (e são tantas vezes)
Tenho em mim flor de lótus
e emerjo, na superfície
para florescer e errar
quantas outras vezes for necessário.

(Para ser Bárbara, há de ser desdobrável. Eu sou.)


Bárbara M. Vieira 

Um comentário:

  1. ola! Vim fazer uma visita e dizer que seu espaço esta muito lindo!
    Parabéns,forte abraço... de camiseta

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails